11 a 14 de Abril de 2023
São Paulo Expo

Construção civil comemora recordes de valores gerais de vendas

Construção civil comemora recordes de valores gerais de vendas

Um ecossistema sadio, uma força motriz de desenvolvimento para a retomada do crescimento pós-pandemia. Responsável por cerca 15% do PIB do município, o setor da construção civil só tem a comemorar os resultados de duas pesquisas realizadas pela Brain Inteligência Estratégica a pedido do Sinduscon e Sebrae. Entre os números, destaque para os valores recordes para o VGV (Valor Geral de Vendas) no ano passado, que chega a quase R$ 2 bilhões e indicativos de um 2022 muito positivo, pelo menos até agora. 

Para Marcos Kahtalian, sócio fundador da empresa responsável pela pesquisa, o que mais chamou a atenção na análise dos dados de Londrina, principalmente no ano de 2021, foi o desempenho muito forte e positivo dos lançamentos e vendas de apartamentos, um volume recorde de 3,9 mil novas unidades. “ O primeiro trimestre de 2022 já demonstra um arranque nas vendas, com 1.143 unidades. Esse é o melhor trimestre dos últimos cinco anos e demonstra um crescimento e o aumento da demanda nos dois padrões principais de construção, aquele econômico e médio-alto”, afirma.

Para o especialista, os números também demonstram um mercado ativo, com desempenho consistente em vendas, em um ritmo que supera até os dos lançamentos. “Na pesquisa de intenção de compra, também percebemos uma média mais alta do que em outras cidades brasileiras. Tudo leva a crer que a dinâmica populacional, o crescimento e desempenho das empresas do setor estão respondendo ao desafio de crescimento com um estoque saudável”, diz sem descartar um possível arrefecimento dos lançamentos e vendas no segundo semestre, por conta do período eleitoral. “Até o momento, Londrina tem se comportado muito bem”, comenta. 

O vultoso valor geral de vendas em 2021, o VGV, apontado pela pesquisa "Estudo do Mercado Imobiliário" e que diz respeito ao número de empreendimentos lançados por ano e unidades vendidas, bateu a marca dos R$ 1.856,9 bilhão, soma já superior ao resultado alcançado em 2020 que foi de  R$ 1.242,5 bilhão. Só nos primeiros três meses de 2022, a cifra chega a R$ 243,9 milhões.

Para o presidente do Sinduscon, Sandro Nóbrega, os valores indicam que os empresários apostaram na demanda da cidade e do outro lado, os consumidores responderam à oferta. Estudos do setor apontam uma exigência de cerca 5,5 mil novas unidades habitacionais em Londrina a cada ano e é importante que o segmento seja capaz de atender a essa necessidade, evitando o déficit habitacional. “O setor tem trabalhado  para suprir todas as demandas,  não sem dificuldades, enfrentando a alta da matéria prima, a falta de lotes urbanizados, de áreas para condomínios e que possam ser verticalizadas. É preciso um mix de fatores para harmonizar o suprimento da demanda, uma harmonia com a infraestrutura da cidade. O setor público tem contribuído e pode contribuir muito mais para que dificuldades na aprovação de novos projetos sejam transpostas”, diz.

A pesquisa de estudo de mercado aponta que imóveis de padrão econômico representam mais de 50% das unidades vendidas no padrão vertical no primeiro trimestre de 2022. Geralmente, esse tipo de imóvel representa o primeiro investimento, um mercado onde a demanda é grande, mas que deve passar por alguma dificuldade por causa do aumento da inflação. No município, a verticalização ultrapassa os 20% ainda bem longe das casas, que representam 79,4%. A grande maioria é dona da própria moradia, com um índice de locação de 25%, mais concentrado nas regiões do Centro e Gleba Palhano, com 38,3% e 31,2% de domicílios ocupados por locatários, respectivamente.

Atualmente, na cidade existem 92 novos empreendimentos, dos quais 71 são do tipo residencial vertical e 21 residencial horizontal. Do total de empreendimentos, a oferta é de 18.408 unidades sendo 12.653 no mercado residencial vertical e 5.755 residencial horizontal. A oferta de apartamentos à venda também supera aquela de casas.

Nóbrega chama a atenção para outro dado interessante do estudo que aponta uma vontade natural nas pessoas de mudarem de patamar de habitação depois de cerca dez anos. Isso, continua o presidente do Sinduscon, revela uma mobilidade social, sinônimo de um motor de prosperidade. “A pandemia também reconfigurou a ideia de lar. As pessoas agora estão mais preocupadas em viver com conforto e tranquilidade, estão mais caseiras e encontrando prazer em ficar dentro de casa”, afirma. 

Essa vontade de fazer um upgrade aparece no segundo estudo, "Pesquisa Quantitativa para Avaliação do Mercado Imobiliário", que aborda a intenção de compra, a preferência por tipo de imóvel e a projeção da demanda. A análise revelou que 39% dos entrevistados possuem a intenção de adquirir um imóvel entre 2022 e 2024 e já começaram a busca ativa dele, um número acima da média nacional que gira em torno dos 35%. A Palhano se confirma como lugar de preferência.

“Londrina tem potencial e precisa ter outras glebas, outras regiões da cidade que já começam a atrair investimentos mostrando o potencial com pontos de atração já ativos”, comenta Nóbrega sem esquecer do potencial do Centro Histórico, no radar do Sinduscon dentro de um projeto de revitalização em parceria com a cidade de norte-americana de Toledo (Ohio), cidade irmã de Londrina desde 1976. A cidade americana tem um grande projeto de revitalização de um prédio histórico que será transformado em um centro de inovação e isso tem servido de inspiração para pensar uma nova área central para Londrina. “Observar o mercado imobiliário ajuda a perceber como a cidade vai crescendo, é um dos símbolos da saúde de uma cidade”, continua Nóbrega.

Metade das pessoas que buscam um imóvel estão dispostas a gastar até R$ 300 mil. Já para 35% da amostra o ticket ideal para imóvel residencial é de R$ 300 mil a R$ 500 mil e para 70% dos entrevistados, bastam pesquisar quatro imóveis antes de decidir qual escolher.

De acordo com o presidente do Sinduscon, os dois estudos mostram que um dos caminhos para a uma retomada econômica em Londrina é a presença de um ambiente mais fluido para empreendimentos no segmento da construção civil. “Quando você atende a habitação percebe que ela funciona como um motor da prosperidade porque começa a criar outras demandas de melhoria de vida. As pessoas naturalmente buscam por isso: escolas melhores para os filhos, um sistema viário melhor, ciclovia, alças de acessos, as próprias empresas passam a perceber uma melhoria na qualidade de vida dos seus colaboradores porque as famílias deles estão vivendo melhor. Existe um fio condutor para boas coisas que acontecem na esteira do dinamismo da construção civil. Um segmento que representa 15% do PIB do município não pode ser negligenciado. Ele precisa ser bem cuidado, não só pelo setor privado, mas também por parte do executivo e legislativo municipal”, pontua. 

Nóbrega ainda destaca o “efeito cascata” de resultados como o do VGV de quase R$ 2 bilhões em 2021. “Ele gera negócios internos, gera impostos diretos para o município, novas empresas, novas especialidades. Existe um novo estilo de vida, com muitos serviços terceirizados nos condomínios. A prosperidade se espalha e o ambiente se torna mais atraente para novas empresas e outras, que já estão no mercado estão conseguindo mudar de patamar, lançando outras tipologias de padrão de obra. São todas bem-vindas, tem espaço. É um ecossistema em equilíbrio, aberto a empresas que chegam para ocupar lacunas do mercado”, analisa.

Nóbrega ainda defende a necessidade de atender a uma demanda reprimida por imóveis. “Isso ajuda a regular os preços, criando um mercado mais atraente para quem quer comprar. O consumidor é beneficiado. Essas pesquisas mostram uma progressão do mercado e a força da indústria da construção civil, muito importante para Londrina”, afirma. 

* Matéria publicada originalmente em https://www.bonde.com.br/conteudo-de-valor/noticias/construcao-civil-comemora-recordes-de-valores-gerais-de-vendas

Leia também: